24 junho 2008

Mi na bô


Kaprin di memória bu lembransa

Kai na mar largu ki é sodadi

Na dibrua es sentimentu ki mi

Taná

Npensaba djan libraba

Djan ensaiaba palavras, falas

Sorrisus kontadus

Gestus mas spaçadus…

Bu txiga, nha juízo ausenta

Bu surri, ndisorienta

Ka é por si só

Na bus odju reflexu du ki nfoi

Kel mi di un bes

Kel mi disparcida

Ki ntenta suicida

Ami ki ta kreditaba ser livre

Nunka nstive na otu kau

Ki ka na bu olhar

5 comentários:

Anónimo disse...

Arrepios, peles de galinha assim fiquei ao ler o teu último post/poema. Lindo.
Hoje de manhã entrei e ainda não havia nada, acabei de entrar agora e valeu a pena pela beleza das palavras, a variante do criolo de que mais gosto embora não seja a minha variante.
Eu pessoalmente já me senti assim muitas vezes. Uma falsa sensação de liberdade quando na verdade estou presa a um olhar, o olhar daquela pessoa que eu não queria querer mas quero, aquela pessoa para quem fui feita por decisão unilateral. Já o Djavan canta "...sem pensar em nada fez a minha vida e te deu..."
Abraços
www.nu-de.blogspot.com

moreia disse...

Não há linguas mas lingua. Aquela que fala à alma e tu sabes isso...

"Nunka nstive na otu kau
Ki ka na bu olhar"

Que dizer depois de ler isso?
Talvez o silêncio...

Kukinha disse...

Voltei gente boa e leal!!!
Não com uma entrada magnífica como sonhara e que ainda não consegui materializar em palavras mas com o que consegui até agora verbalizar.
Os comentários me pareceram tão exagerados que tive de os reler até entender que tem sim gente que gosta (estou na fase de trabalhar minha auto-estima) e me inspirei já na anônima do NUDE (sim já passeei pelo blog e ainda tenho mt mais q explorar), no silêncio do Moreia (é o que me faz ouvir o sussuro dos meus sentimentos) e em meus amigos que ainda não acreditam que eu tenho um blog (adoro desafios)!!!
Um ponto de orgulho: no dia 07 de Julho alguns dos post do Cartas vão estar impressos no livro Destino de bai - antologia de poesia inédita caboverdiana, a ser lançado no Pavilhão Centro Portugal, em Coimbra, junto com outros 31 excelentes autores . Este é um livro a guardar e que fará história na Literatura Caboverdiana.

Anónimo disse...

Kukinha
Pelo que vi no teu blog esse facto não é surpresa. Cedo ou tarde acontecerei pela beleza, pela qualidade e pela forma como consegues falar a alma dos outros (concordando plenamente com moreia).
Parabens!! Apenas o começo...
Nude

Anónimo disse...

Amor... kredu...arrepia mesmo...adorei. O ultimo trecho (é assim k se diz??) deixou-me...
Adoro teus poemas, como sempre... beijo doçe e continua sempre!! Oldy